Pular para o conteúdo principal

Catecismo- o ensino de Deus nos primeiros cinco séculos. 1ª parte.


Catecismo - O uso do termo



         O termo catecismo é a ação ou conteúdo administrado a criança, já catequese está destinada aos adultos. Na prática esta distinção cessou (QUINSON, 1999, p. 79). No tempo atual catecismo é conhecido como um manual de instrução popular na forma de pergunta e resposta. Porém o termo só foi empregado assim no século XVI (WRIGHT, 1988, p. 249).
         Neste mesmo século, num ponto de vista Luterana o catecismo significou “livro de aprender” ou  “Bíblia para os leigos” (BAESKE, 1982, p. 8-10).
         “Forma  mais recente é  cathci,zein[1], em latim “catechizare”, da qual deriva catechismus (em português catecismo), que tanto se refere à  mesma “catequese”, como ao livro que contém a doutrina ensinada” (JUNGMANN, 1967, p. 17).
         Segundo Lópes (1992, p. 99) a pesquisa do termo catecumenato nos ajuda a entender melhor o seu significado: o termo catecumenato deriva do verbo grego katecheo, que significa ressoar, fazer ecoar junto aos ouvidos.
         Já Paiva (1966, p. 128-146) afirma que os termos catequese, catecumenato, catecúmeno, provêm do mesmo verbo grego “katechein”. E que o termo katechesis não aparece na Bíblia. Em compensação, o verbo katechein é mencionado no Novo Testamento com duplo significado: narrar ou relatar sucessos (At 21.21- 24; Lc 1.4) e ensinar os mistérios da fé (At 18.25; Rm 2.18; Gl 6.6).
         Deste modo “o uso clássico legou o termo catecumenato, para indicar a catequese e iniciação litúrgica dos adultos convertidos que desejavam o batismo” (PAIVA, 1966, p. 128-146).
         Portanto,  catecumenato em sentido mais clássico, é uma instituição de caráter catequético-litúrgico-moral, criada pela Igreja no início dos primeiros séculos, com a finalidade de instruir e habilitar os convertidos adultos, por meio de um método disposto por etapas (BOROBIO, 2007, p. 96).
         Esta  metodologia conduzia ao encontro pleno com o mistério de Cristo e com a vida da comunidade eclesial, cujo momento culminante se dava pelos ritos de iniciação: batismo, ritos pós-batismais e os outros sacramentos com ritos (crisma e eucaristia), normalmente presididos pelo bispo na vigília pascal (BOROBIO, 1997, p. 298).
         O catecumenato, porém, como instituição, não foi criada por Cristo. A ordem do Senhor foi: “Pregai o Evangelho” (Mc 16.15). “Ensinai a todas as nações” (Mt 28.19) e batizai-as. “Quem crer e for batizado será salvo” (Mc 16.16). Portanto, desde o início há, no ato sacramental da administração do batismo, uma união tão íntima entre a pregação da Boa-Nova, a instrução na fé, o ingresso nas fileiras dos discípulos e o cumprimento de tudo isso, de modo que a instrução deve preceder ao menos como condição. Cristo uniu o batismo ao anúncio e o conhecimento da Palavra e à iniciação na vida e nos costumes cristãos (PAIVA, 1966, p. 133).


Catecismo - Estrutura humana.
     
         Ao lermos Atos dos Apóstolos vemos uma igreja estabelecida com apóstolos, profetas, doutores e outros. Estes ofícios são atestado por Paulo (1Co 12.28) e pertencia principalmente aos doutores a instrução dos candidatos (NUNES, 1978, p. 6).
         No judaísmo da diáspora o rabino tinha varias funções, e uma delas era o ensino. Era tido como mestre da lei.
      Hipólito nos informa que os candidatos que vinham ouvir pela primeira vez a palavra eram conduzidos aos catequistas. Aqueles que traziam os candidatos eram responsáveis em falar sobre a integridade dos mesmos (NUNES, 1978, p. 44-45).
        Dentro do catecumenato o catequista é aquele que instrui os outros na fé cristã (TOON, 1988, p. 253), a função não é limitada ao vocabulário, o catequista é o professor, “didaskalos” e os alunos são os discípulos, “matetes”. Para o Apóstolo Paulo, este é um entre os dons do Espírito (1 Co 12:28 e Ef 4:11) (BRAKEMEIER, 2003, p. 126).
         Desta forma “catecúmeno é aquele que está sendo instruído, catequizado; mais concretamente, aquele que está sendo iniciado na escuta, não de uma palavra qualquer, mas da Palavra de Deus (FIORES e GOFFI, 1989, p. 99).


[1] Transliterado para o português fica khatekhizein.

Postagens mais visitadas deste blog

Educação em Lutero uma abordagem ainda para o século 21

            Neste trabalho estaremos analisando dois escritos de Lutero que constam nas Obras Selecionadas (v. 5): Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs (1524) e Uma prédica de Martinho Lutero para que se mandem os filhos para a escola (1530). O objetivo deste trabalho é avaliar o desenvolvimento teológico de Lutero dentro do assunto “Educação” conforme esses escritos de épocas distintas. Após o estudo e comparação destes dois escritos não pude perceber um desenvolvimento teológico significativo em Lutero. Talvez isso se deva a proximidade da data e por estarem os dois escritos no período do “Lutero adulto” (ou seja, depois de 1519). Também é difícil analisar o desenvolvimento teológico de Lutero em um assunto que não é propriamente “teológico”.             Porém, essas obras são de suma importância para a cristandade e a história da educação. Percebemos nestes escritos o valor que Lutero dava à educação, principalmente como p

Reforma Hoje. Um olhar através dos tempos 1 parte.

Reforma Hoje. Um Olhar Através Dos Tempos 1 parte O texto abaixo é  extraído  de um artigo, numa cadeira de catecismo do S eminário   Concórdia  de São Leopoldo RS. Reforma Hoje. Gene Edward Veith      Através de quase todo o século XX, a maior questão teológica foi a chamada "Batalha pela Bíblia". Começando com o conflito entre modernistas e fundamentalistas, a igreja na América vem sendo agitada por uma divisão entre aqueles que acreditam que os ensinos da Bíblia devam ser julgados de acordo com as mais recentes tendências intelectuais e culturais e aqueles que crêem na iner-rância da Escritura. Ao longo de quase todo o século, teólogos liberais, armados com a metodologia crítico-histórica e o prestígio da classe intelectual, batalharam contra os evangélicos, que insistiam na realidade da inspiração divina e no evangelho sobrenatural.        Em meio às violências de cismas denominacionais, seminários para expurgo e divisões de igrejas, os modernist

Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo?

Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo?  Estado Islâmico, Islamismo, Maomé          Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo, fica sempre uma duvida até que ponto o ensino de uma religião pode influenciar o lado pecador do ser humano, ao ponto de não ter nenhum valor a vida de outro ser humano contrario as convicções religiosas. Já vimos na historia cidade e pessoas serem devastados por causa da fé. Vivemos dias em que a liberdade de ir e vir tão comum numa democracia serem motivos de prisões e o mundo assisti a tudo com conformismo.         O Islamismo já é a maior religião do mundo, com abrangência em vários países, uma infiltração silenciosa que causa medo a todos. Claro que uma pessoa não deve ser perseguida por causa de sua religião. Mas as guerras santas em nome de Alá, e as explicações e interpretações de Maomé, até que ponto é sagrada. Quando olhamos a fundo percebemos que no islamismo a figura de Jesus Cristo o filho de Deus aparece descrita, mas a sua o