Pular para o conteúdo principal

Pensar luterano - Introdução Parte 1


      As Confissões Luteranas, ou símbolos, representam o resultado de mais do que uma geração de profundo comportamento na parte de Martinho Lutero e seus seguidores para dar clara e positiva expressão para sua convicções religiosas.  A coleção dos outros luteranos conhecidos como o Livro de Concórdia publicado em 1580, contém um número de documentos de diversos background, autoria, apontamentos histórico e propósito.  No mínimo quatro diferentes grupos estão discernidos: (1) três Credos Ecumênicos da igreja antiga; (2) os dois catecismos de Lutero; (3) Confissão de Augsburgo, sua Apologia, e os Artigos de Esmalcalde, junto com o tratado do poder e primado do papa; (4) a Fórmula de Concórdia em duas partes, Epítome e Declaração Sólida.  Três desses escritos são das penas de Lutero, a saber, os dois Catecismos (1529) e os Artigos de Esmalcalde (1537); três foram compostos por Filipe Melanchthon, o brilhante erudito e humanista tão intimamente associada com o grande reformador, a saber, Confissão de Augsburgo (1530), Apologia (1531), e o Tratado (1537).  Um número da segunda geração de teólogos luteranos, notavelmente Jacob Andea e Martin Chemitz foram responsáveis pelas e profundas declarações apontadas na Fórmula de Concórdia (1577).
            Os Catecismos de fato servem para o construtivo propósito de ensinar o “jovem e inexperiente”, ambos crianças e adultos, as “principais partes da doutrina cristã”.  A Confissão de Augsburgo, a Declaração primária da fé luterana, está expressado geralmente moderada em linguagem conservativa designada para ajudar a tratar a quebra com a igreja de Roma.  A Apologia está completa e é ensinada por Melanchthon, freqüentemente palavras duras, defendendo a posição luterana com a exegese e lógica da Confutação Romana.  Seis anos após os príncipes luteranos e estados chegarem a Esmalcalde para considerar o curso de ação com respeito ao Concílio geral que o papa Paulo III tinha convocado.  Lutero perguntou pelo eleitor saxônico para preparar Lutero o esboço teológico.  Com seu vigor costumeiro o reformador apontou em sucessão os artigos de fé a respeito dos quais não havia controvérsia, aquele onde nenhuma concessão poderia ser feita e aqueles poderiam ser discutidos com “homens sensíveis e ensinados”.  Ao mesmo tempo Melanchthon forneceu uma cuidadosa análise, baseada na Escritura e história da igreja, da questão a respeito do poder e primazia do papa seguindo a morte de Lutero em 1546, cerca de trinta anos de controvérsia entre luteranos onde de discutiu vários pontos de doutrina, com os romanos, ora com os reformados.  As discórdias, no mínimo, foram oficialmente resolvidas na Fórmula de Concórdia.  A inclusão dos credos ecumênicos antigos no corpo confessional luterano foi colocada para repudiar a visão de sectarismo contra os luteranos e demonstrar a genuína catolicidade de seus ensinamentos. Autor: Herbert J. Boumam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação em Lutero uma abordagem ainda para o século 21

            Neste trabalho estaremos analisando dois escritos de Lutero que constam nas Obras Selecionadas (v. 5): Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs (1524) e Uma prédica de Martinho Lutero para que se mandem os filhos para a escola (1530). O objetivo deste trabalho é avaliar o desenvolvimento teológico de Lutero dentro do assunto “Educação” conforme esses escritos de épocas distintas. Após o estudo e comparação destes dois escritos não pude perceber um desenvolvimento teológico significativo em Lutero. Talvez isso se deva a proximidade da data e por estarem os dois escritos no período do “Lutero adulto” (ou seja, depois de 1519). Também é difícil analisar o desenvolvimento teológico de Lutero em um assunto que não é propriamente “teológico”.             Porém, essas obras são de suma importância para a cristandade e a história da educação. Percebemos nestes escritos o valor que Lutero dava à educação, principalmente como p

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar.

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar. Os termos “luterano significado”” Reforma Luterana”, para entender temos que olhar para o passado, no século XVI, devido a divisão na Alemanha entre Católicos e Protestantes, claro que o fator da divisão foi doutrinário, como podemos observar na Dieta de Worms . Termos como Luteranismo, As confissões Luteranas, Livro de Concórdia de1580 , Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, são retiradas desta divisão doutrinária. A religião luterana no Brasil está a mais de 100 anos, dívida entre duas igrejas herdeiras dessa reforma, há Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), http://www.ielb.org.br/home/ , e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), http://www.luteranos.com.br/ . Marca do Luteranismo é a educação, mesmo aqui no Brasil, basta fazer uma busca com os termos “ luterano ferraz ”, “ luterano analia franco ”, “ ULBRA ”, “ Colégio Concórdia ”, “ instit

Reforma Hoje. Um olhar através dos tempos 1 parte.

Reforma Hoje. Um Olhar Através Dos Tempos 1 parte O texto abaixo é  extraído  de um artigo, numa cadeira de catecismo do S eminário   Concórdia  de São Leopoldo RS. Reforma Hoje. Gene Edward Veith      Através de quase todo o século XX, a maior questão teológica foi a chamada "Batalha pela Bíblia". Começando com o conflito entre modernistas e fundamentalistas, a igreja na América vem sendo agitada por uma divisão entre aqueles que acreditam que os ensinos da Bíblia devam ser julgados de acordo com as mais recentes tendências intelectuais e culturais e aqueles que crêem na iner-rância da Escritura. Ao longo de quase todo o século, teólogos liberais, armados com a metodologia crítico-histórica e o prestígio da classe intelectual, batalharam contra os evangélicos, que insistiam na realidade da inspiração divina e no evangelho sobrenatural.        Em meio às violências de cismas denominacionais, seminários para expurgo e divisões de igrejas, os modernist