Pular para o conteúdo principal

Imagem de Deus - parte final.


http://www.ureshino.org/wp-content/uploads/2010/12/deus.jpg

Jesus não se deixou manipular. Se a vaidade cegasse o seu entendimento, talvez tivesse dado um discurso sobre a questão dos impostos. Mas não fez isso. Diante da pergunta formulada com muito cuidado, Jesus usa um exemplo prático. Ele não responde com um discurso. Ele mostra aos adversários que percebeu as suas intenções.
Hipócritas!
Isto é, pessoa que finge ter crençasvirtudesidéias e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A pregação do evangelho tem a finalidade, de denunciar que somos muitas vezes como os judeus e herodianos e que precisamos de Cristo em nossa vida.
Então, ele recorre a uma característica sua como pedagogo do Reino de Deus: pede uma moeda. A moeda será o elemento didático que vai desfazer a armadilha dos adversários.
Diante da pergunta se é contrário à lei de pagar impostos ao imperador romano, Jesus faz a pergunta: De quem são o nome e a cara que estão gravadas nesta moeda? Os fariseus e herodianos respondem que são do imperador. A conclusão então é simples. Se a moeda tem o rosto e o nome do Imperador, então ele é o dono da moeda. Dêem ao Imperador o que é dele. Resolvida a questão. Para os adversários de Jesus, já não havia mais a possibilidade de causarem intriga entre ele e os romanos.
Na sua resposta, Jesus afirma que é preciso dar ao Imperador o que é dele, mas dar a Deus o que é de Deus. A segunda parte da resposta de Jesus devolve aos seus inquiridores as suas responsabilidades. Essa capacidade de Jesus é surpreendente. Antes de expressarem frustração com o fim do seu plano muito bem elaborado, são levados por Jesus à reflexão. Eles têm de começar a pensar se estão dando a Deus o que é de Deus. A afirmação "dar a Deus o que é de Deus" pode ser uma indicação simples de que é necessário que os judeus paguem os impostos previstos na Lei Judaica. Os Fariseus eram cumpridores fiéis da Lei. Eles sabiam que impostos deviam ser pagos. Mas o impacto da afirmação de Jesus de que devem dar a Deus o que é de Deus, cala os seus adversários. Ficam admirados com a sabedoria de Jesus. Talvez tenham passado pelas suas memórias algumas falhas nas muitas exigências do cumprimento da Lei.
Em Mateus 23.23 Jesus questiona os fariseus a respeito das suas práticas no cumprimento da Lei. Ele diz: "ai de vocês, Mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês dão a Deus a décima parte até mesmo da hortelã, da erva doce e do cominho, mas não obedecem aos mandamentos mais importantes da Lei, que são: o de serem justos com os outros, o de serem bondosos e o de serem honestos." Dar a Deus o que é de Deus, tocou a consciência dos fariseus e herodianos.
"Dar a Deus o que é de Deus" vai além de pagar os impostos previstos na Lei. Vamos fazer esta pergunta a nós mesmos. O que nós que cremos em Deus e seguimos o que Jesus ensinou temos que dar a Deus? Se tomarmos o exemplo que Jesus usou, da imagem do Imperador e seu nome na moeda, como parâmetro para definir o que é de Deus, podemos dizer que todo ser humano é de Deus. O ser humano foi feito à imagem e semelhança de Deus. Podemos afirmar que devemos nos dar a Deus totalmente, porque temos a sua imagem gravada como uma marca. Somos de Deus!
Mas, isso ainda não responde o que lhe é devido de nossa parte na prática da vida cristã. Não vivemos mais sob a lei. Vivemos sob a graça libertadora do Nosso Senhor Jesus Cristo. Nós devemos, como cidadãos, pagar os impostos do nosso país, mas não devemos impostos a uma religião. Precisamos manter a nossa igreja como participantes de uma comunidade e fazer a nossa oferta de gratidão. Mas, o que podemos dar a Deus, além de nós mesmos?
Além de nós mesmos, como imagem e semelhança de Deus, precisamos cumprir a vontade Dele. A resposta que um mestre da lei deu a Jesus na parábola do Bom Samaritano (Lucas 10.25-37) é uma boa resposta à nossa pergunta: "Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com todas as forças e com toda a mente. E ame o seu próximo como você ama a você mesmo". Isso Deus quer de nós, não como uma obrigação, mas como gratidão à sua justiça para conosco.
Se conseguirmos amar o Senhor nosso Deus com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com todas as forças do nosso ser e com toda alma teremos condições de amar o nosso próximo. Não precisamos desistir da convivência humana porque vamos a amar as pessoas como elas são. O que Deus quer é que não façamos intrigas, não nos deixemos vencer pelo egoísmo individualista, não sejamos maldizentes, assumamos as nossas responsabilidades e defendamos os nossos justos interesses com justiça e equidade. Se conseguirmos fazer o que Deus espera de nós teremos encontrado um sentido para as nossas vidas. Em resposta ao Evangelho façamos tudo que é bom e agradável a Deus. Amém

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação em Lutero uma abordagem ainda para o século 21

            Neste trabalho estaremos analisando dois escritos de Lutero que constam nas Obras Selecionadas (v. 5): Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs (1524) e Uma prédica de Martinho Lutero para que se mandem os filhos para a escola (1530). O objetivo deste trabalho é avaliar o desenvolvimento teológico de Lutero dentro do assunto “Educação” conforme esses escritos de épocas distintas. Após o estudo e comparação destes dois escritos não pude perceber um desenvolvimento teológico significativo em Lutero. Talvez isso se deva a proximidade da data e por estarem os dois escritos no período do “Lutero adulto” (ou seja, depois de 1519). Também é difícil analisar o desenvolvimento teológico de Lutero em um assunto que não é propriamente “teológico”.             Porém, essas obras são de suma importância para a cristandade e a história da educação. Percebemos nestes escritos o valor que Lutero dava à educação, principalmente como p

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar.

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar. Os termos “luterano significado”” Reforma Luterana”, para entender temos que olhar para o passado, no século XVI, devido a divisão na Alemanha entre Católicos e Protestantes, claro que o fator da divisão foi doutrinário, como podemos observar na Dieta de Worms . Termos como Luteranismo, As confissões Luteranas, Livro de Concórdia de1580 , Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, são retiradas desta divisão doutrinária. A religião luterana no Brasil está a mais de 100 anos, dívida entre duas igrejas herdeiras dessa reforma, há Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), http://www.ielb.org.br/home/ , e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), http://www.luteranos.com.br/ . Marca do Luteranismo é a educação, mesmo aqui no Brasil, basta fazer uma busca com os termos “ luterano ferraz ”, “ luterano analia franco ”, “ ULBRA ”, “ Colégio Concórdia ”, “ instit

Reforma Hoje. Um olhar através dos tempos 1 parte.

Reforma Hoje. Um Olhar Através Dos Tempos 1 parte O texto abaixo é  extraído  de um artigo, numa cadeira de catecismo do S eminário   Concórdia  de São Leopoldo RS. Reforma Hoje. Gene Edward Veith      Através de quase todo o século XX, a maior questão teológica foi a chamada "Batalha pela Bíblia". Começando com o conflito entre modernistas e fundamentalistas, a igreja na América vem sendo agitada por uma divisão entre aqueles que acreditam que os ensinos da Bíblia devam ser julgados de acordo com as mais recentes tendências intelectuais e culturais e aqueles que crêem na iner-rância da Escritura. Ao longo de quase todo o século, teólogos liberais, armados com a metodologia crítico-histórica e o prestígio da classe intelectual, batalharam contra os evangélicos, que insistiam na realidade da inspiração divina e no evangelho sobrenatural.        Em meio às violências de cismas denominacionais, seminários para expurgo e divisões de igrejas, os modernist