Pular para o conteúdo principal

Chamar um pastor



      
            Normalmente, quando uma congregação fica vacante (sem o seu pastor), ela se prepara para chamar um novo pastor. Essa prática geralmente é precedida de um contato com o conselheiro distrital, com o Presidente da IELB, consultas ao Anuário Luterano, etc. Geralmente, enquanto essa busca por nomes está em andamento, surgem grupos na congregação que delineiam o perfil do pastor mais indicado e talhado para ocupar o cargo.
            Há aqueles que preferem chamar um pastor mais “experiente”, e não um recém-formado, saído de um de nossos educandários. Tal atitude parece que está a dizer que os “novos pastores” não estão lá muito bem preparados para enfrentar certos desafios, ou, ainda, que a sua formação acadêmica não é das mais qualificadas. Aqui cabe lembrar que todo pastor “experiente” foi também um dia um recém-formado e, se hoje ele é “experiente”, isso se deve ao fato de ter ele recebido um chamado logo após a sua formatura.
            Mas também há o grupo que prefere chamar um pastor “jovem”, desconsiderando assim os “experientes” ou os mais antigos. A congregação precisa de mudanças e renovação, e nada como um pastor “jovem” para viabilizar esse processo, dizem eles.
            O que deve ficar claro é que ambos os grupos, ao fazerem certas exigências e restrições, estão muitas vezes ignorando o importante papel do Espírito Santo no processo de um chamado (chamado divino). Não é lá uma boa idéia restringir a ação do Espírito Santo só porque “sentimos” que precisamos de um pastor mais “experiente” ou mais “jovem”.
            Recentemente, ao ler o informativo The Deaf Lutheran (O Surdo Luterano), encontrei uma ilustração que muito bem se adequa ao tema até aqui exposto.
            Certa congregação estava encontrando dificuldades para chamar um novo pastor. Havia aqueles que queriam um pastor mais “experiente” e outros um pastor mais “jovem”.  O presidente da congregação já estava desanimado diante do fato.  Num domingo, ele se colocou diante da congregação reunida e perguntou: “Vocês desejariam ter este homem como nosso pastor?” e procedeu a leitura de uma carta, que dizia assim:
            “Entendo que o púlpito de sua congregação está vacante e eu gostaria de me candidatar para esta posição. Tenho muitas qualificações. Tenho tido muito sucesso como pregador e também algum sucesso como escritor. Alguns dizem que tenho tino para organização. Fui um líder na maioria dos lugares em que estive. Estou com mais de 50 Anos. Eu nunca preguei em um lugar por mais de três anos. Em algumas cidades o meu trabalho causou tumultos e perturbações. Devo admitir que já estive preso por três ou quatro vezes, mas não porque tivesse feito algo realmente errado. Minha saúde não está muito boa, embora eu continue trabalhando bastante. As igrejas nas quais preguei eram pequenas, embora estivessem localizadas em grandes cidades. Não me relacionei muito bem com os líderes religiosos nas cidades que preguei. Na verdade alguns me ameaçaram e até me atacaram fisicamente. Eu não sou muito bom para guardar registros. Tenho fama de esquecer quem batizei. Todavia, se vocês desejarem meus serviços, eu darei o melhor de mim por vocês”.
            O presidente olhou para a congregação reunida e perguntou: “Bem, o que vocês acham? Devemos chamá-lo?”
            Os membros da congregação estavam espantados. Chamar um pastor doente, causador de problemas, fraco de memória e ex-presidiário! Seria uma loucura! Quem assinou esta carta? Quem teve tamanha audácia?
            O presidente olhou para todos os presentes cuidadosamente e respondeu: “A carta está assinada pelo apóstolo Paulo”.
            Como dissemos anteriormente, é só uma ilustração. Nenhum pastor faria algo semelhante, muito menos o Apóstolo Paulo. A moral, porém – se é que há alguma – é que nossos pastores podem não ser perfeitos, mas certamente precisamos deles”.

Rev Ely Prieto, “Mensageiro Luterano” de Maio/91, página 12.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sábado Santo

"Durante o Sábado santo a Igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando sua paixão e sua morte,  sua descida à mansão dos mortos e esperando na oração e no jejum sua ressurreição   (Circ 73). No  dia do silêncio  a comunidade cristã vela junto ao sepulcro.  Calam os sinos e os instrumentos. É ensaiado o aleluia, mas em voz baixa. É o dia para aprofundar. Para contemplar. O altar está despojado. O sacrário aberto e vazio . O Sábado é o dia em que experimentamos o vazio. Se a fé, ungida de esperança, não visse no horizonte último desta realidade, cairíamos no desalento: "nós o experimentávamos…", diziam os discípulos de Emaús. É um dia de meditação e silêncio. Mas não é um dia vazio em que "não acontece nada". Nem uma duplicação da Sexta-feira. A grande lição é esta: Cristo está no sepulcro, desceu à mansão dos mortos, ao mais profundo em que pode ir uma pessoa. E junto a Ele, como sua Mãe Maria, está a Igreja, a esposa. Calada, como ele. O

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar.

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar. Os termos “luterano significado”” Reforma Luterana”, para entender temos que olhar para o passado, no século XVI, devido a divisão na Alemanha entre Católicos e Protestantes, claro que o fator da divisão foi doutrinário, como podemos observar na Dieta de Worms . Termos como Luteranismo, As confissões Luteranas, Livro de Concórdia de1580 , Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, são retiradas desta divisão doutrinária. A religião luterana no Brasil está a mais de 100 anos, dívida entre duas igrejas herdeiras dessa reforma, há Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), http://www.ielb.org.br/home/ , e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), http://www.luteranos.com.br/ . Marca do Luteranismo é a educação, mesmo aqui no Brasil, basta fazer uma busca com os termos “ luterano ferraz ”, “ luterano analia franco ”, “ ULBRA ”, “ Colégio Concórdia ”, “ instit

Paulo Santana - Novidade teratológica

https://encrypted-tbn3.google.com/ images?q=tbn:ANd9GcSDhr2bCt0N9gm wQgyFSuchQ996PizcsStMUB5I5irC5xroUkt- * Texto publicado na página 47 de Zero Hora desta quinta-feira (23) Desculpem, mas não existe assunto melhor do que este: em São Sepé, esta semana, um cão que tem no sangue a mistura de pitbull com rottweiler botou para fora de casa uma família inteira, depois que a proprietária foi ameaçada por ele e conseguiu fechar a porta da casa e fugir do lar. Isto apenas uma semana depois que um cão, também uma cruza de pitbull com rottweiler, matou a dentadas um menino em Capão da Canoa. Eu pergunto: o que tem na cabeça uma pessoa que cruza pitbull com rottweiler? O que tem na cabeça? Sei bem o que pensa. Pensa que tem uma arma mortífera em casa, mas quer uma arma mais mortífera ainda. E cruza as duas raças, revelando uma megalomania incrível, autodotando-se de um superpoder. Teratologia (monstruosidade) pura. Informa-me o Cyro Silveira Martins Filho que os pitbulls são descendente