Pular para o conteúdo principal

O ALCOOLISMO




 
O termo alcoolismo é atribuído ao médico suíço Magnus Huss e foi popularizado em meados do século XIX, sendo considerado, “inequivocamente”, como uma doença[1]. Tal conceitualização, no entanto, é objeto de discordância entre muitos, como lembra Gary R. Collins. Segundo o autor, “O conceito de doença tende a aliviar o alcoólatra [alcoolista] de sua responsabilidade pessoal”, e não compreenderia a dimensão completa do problema. Nesse ponto, argumenta Collins, “em algum momento todo bebedor decide tomar o primeiro gole”[2], o que parece caracterizar um enfoque do ponto de vista moral na abordagem à dependência do álcool.
Ambos as posições são claramente observadas nas palavras de Bertolote:

Assistimos, nos últimos dois séculos,  um embate entre duas posições predominantes polarizadas: de um lado, uma concepção moral do fenômeno [o alcoolismo] e, de outro, uma concepção médica que o caracteriza como doença [grifo do autor][3].     

Tendo em vista que esta pesquisa não tem por objetivo entrar nesta discussão de conceitos, busca-se aqui evitar uma definição que minimize a dimensão do problema, mas que o compreenda tal como é. Por isso, é importante considerar a definição sugerida por Bertolote. Segundo o autor, nos últimos anos o alcoolismo tem sido devidamente definido “como um fenômeno que se manifesta em várias dimensões, expressando-se ao longo de distintos eixos: físico, mas também psicológico e social”[4]. Dessa forma, conclui o autor:

 “O alcoolismo não deixou de ser considerado como uma doença, mas o fato de constituir uma doença é apenas um dos inúmeros problemas encontrados, em associação com determinados padrões de ingestão de álcool” [Grifo nosso][5]

Portanto, a partir do que foi evidenciado até aqui, este trabalho assume como princípio o fato de que o alcoolismo é uma doença, mas como sugere Burns, uma “doença multifacetada [Grifo nosso]” em que os aspectos físico, emocional, social e espiritual são afetados; consequentemente, o acoolista, a família e a igreja sofrem tais consequências.



[1] BERTOLOTE, José Manoel; RAMOS, Sérgio de Paula. Alcoolismo Hoje. Porto Alegre: Editora Artes Médicas,  1997. p.18.  
[2] COLLINS, R. Gary. Aconselhamento Cristão. São Paulo: Vida Nova, 2004. p.575.
[3] BERTOLOTE; RAMOS, op.cit., p.17.
[4] BERTOLOTE; RAMOS, op.cit., p.26.
[5] Idem, Ibidem. Aqui o autor afirma que este é um novo conceito “numa perspectiva histórico e social”. 

Trabalho apresentado na conclusão de teologia no Seminário Concórdia em São Leopoldo - RS  pelo Pastor SAMUEL REDUSS FUHRMANN.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação em Lutero uma abordagem ainda para o século 21

            Neste trabalho estaremos analisando dois escritos de Lutero que constam nas Obras Selecionadas (v. 5): Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs (1524) e Uma prédica de Martinho Lutero para que se mandem os filhos para a escola (1530). O objetivo deste trabalho é avaliar o desenvolvimento teológico de Lutero dentro do assunto “Educação” conforme esses escritos de épocas distintas. Após o estudo e comparação destes dois escritos não pude perceber um desenvolvimento teológico significativo em Lutero. Talvez isso se deva a proximidade da data e por estarem os dois escritos no período do “Lutero adulto” (ou seja, depois de 1519). Também é difícil analisar o desenvolvimento teológico de Lutero em um assunto que não é propriamente “teológico”.             Porém, essas obras são de suma importância para a cristandade e a história da educação. Percebemos nestes escritos o valor que Lutero dava à educação, principalmente como p

Reforma Hoje. Um olhar através dos tempos 1 parte.

Reforma Hoje. Um Olhar Através Dos Tempos 1 parte O texto abaixo é  extraído  de um artigo, numa cadeira de catecismo do S eminário   Concórdia  de São Leopoldo RS. Reforma Hoje. Gene Edward Veith      Através de quase todo o século XX, a maior questão teológica foi a chamada "Batalha pela Bíblia". Começando com o conflito entre modernistas e fundamentalistas, a igreja na América vem sendo agitada por uma divisão entre aqueles que acreditam que os ensinos da Bíblia devam ser julgados de acordo com as mais recentes tendências intelectuais e culturais e aqueles que crêem na iner-rância da Escritura. Ao longo de quase todo o século, teólogos liberais, armados com a metodologia crítico-histórica e o prestígio da classe intelectual, batalharam contra os evangélicos, que insistiam na realidade da inspiração divina e no evangelho sobrenatural.        Em meio às violências de cismas denominacionais, seminários para expurgo e divisões de igrejas, os modernist

Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo?

Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo?  Estado Islâmico, Islamismo, Maomé          Estado Islâmico é o lado oculto do Islamismo, fica sempre uma duvida até que ponto o ensino de uma religião pode influenciar o lado pecador do ser humano, ao ponto de não ter nenhum valor a vida de outro ser humano contrario as convicções religiosas. Já vimos na historia cidade e pessoas serem devastados por causa da fé. Vivemos dias em que a liberdade de ir e vir tão comum numa democracia serem motivos de prisões e o mundo assisti a tudo com conformismo.         O Islamismo já é a maior religião do mundo, com abrangência em vários países, uma infiltração silenciosa que causa medo a todos. Claro que uma pessoa não deve ser perseguida por causa de sua religião. Mas as guerras santas em nome de Alá, e as explicações e interpretações de Maomé, até que ponto é sagrada. Quando olhamos a fundo percebemos que no islamismo a figura de Jesus Cristo o filho de Deus aparece descrita, mas a sua o