Pular para o conteúdo principal

"O Messias" de Georg Friedrich Handel, completo, varias apresentações


Messias

Freqüentemente nos referimos ao oratório como O Messias, contudo, Handel o denominava apenas de Messias . O objetivo dele não era tratar especificamente sobre Jesus Cristo, O Messias (como fez Bach em suas paixões), mas ainda que haja referências em recitativos e árias, Handel intencionou exaltar o Deus do Antigo Testamento:

Intencionalmente, o oratório não apresenta a vida e Paixão de Jesus, mas a contemplação épica e lírica da idéia da redenção cristã... a deidade que finalmente emerge deste grande trabalho é o triunfante Deus do Antigo Testamento a quem Handel freqüentemente louvava em seus oratórios, e não a Cristo, o Redentor, a quem ele tão magnificentemente evoca em uma de suas árias - e isto à despeito do fato de que o Messias é essencialmente uma homenagem à redenção... (Paul Henry Lang, George Frideric Handel, pp. 342 e 343).

Handel escreveu este oratório para quatro solistas (soprano, contralto, tenor e baixo) que não cantavam com o coro - Muitos coros tem solistas especialmente convidados para cantar os recitativos e árias. Na prática adotada por Handel, ele nunca usou exclusivamente um solista, mas vários (sempre mais que cinco). Na apresentação de 1743 em Londres, ele tinha oito (08) solistas e em 1750, seis (06) (Donald Burrows, Handel: Messiah, pp. 30-37) e também, os solistas faziam parte do coro o que deixa claro a idéia de conjunto.
A versão definitiva do Oratório Messias é a autógrafa - Não havia na mente de Handel a idéia de compor uma versão definitiva de uma peça sua, fosse ela música vocal ou instrumental. Aliás, esse pensamento não era exclusivo de Handel, mas outros compositores barrocos costumavam aproveitar fragmentos de composições anteriores, suas ou não, e usá-las em novos trabalhos, sobretudo, se a demanda fosse grande. Handel fez isso em quase toda a sua obra, assim como Bach e outros. No caso do Messias, ele continuamente revisava a partitura para adequá-la às suas necessidades de concerto, o que explica o fato de existir outras versões para recitativos, árias e coros:

...Muitos compositores do período barroco, e especialmente Handel, não tinham intenção de produzir versões definitivas de seus trabalhos. Cada novo elenco para ópera ou oratórios necessitava de novo material, novas revisões de versões antigas, ou partes totalmente novas. Nenhuma versão tinha a pretensão de ser mais definitiva do que outra. Cada uma era trabalhada de forma a atender às necessidades individuais de determinados solistas ou a disponibilidade de certos instrumentos. ( "Some Thoughts on Performing Messiah " American Choral Review, Abril/Julho, 1985, p.21) BURROWS apud CAMP.

A performance ideal será aquela que se concentra em uma versão específica, ou seja, o mais importante não é qual a versão que será usada, mas o quão fiel se permanece a mesma.

O tamanho do coro e da orquestra - Este é outro equívoco que temos cometido ao longo dos anos. É comum ouvirmos coros que ultrapassam oitenta vozes acompanhadas por orquestras igualmente grandes. Handel, por motivos que explicaremos mais adiante, sempre usou um grupo que não ultrapassava a sessenta pessoas. A prática iniciada após a morte de Handel de se ter coros e orquestras grandes, emprega à peça uma vitalidade que não era comum à época e foge às intenções do compositor.

Assista abaixo, é uma obra de arte musical:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sábado Santo

"Durante o Sábado santo a Igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando sua paixão e sua morte,  sua descida à mansão dos mortos e esperando na oração e no jejum sua ressurreição   (Circ 73). No  dia do silêncio  a comunidade cristã vela junto ao sepulcro.  Calam os sinos e os instrumentos. É ensaiado o aleluia, mas em voz baixa. É o dia para aprofundar. Para contemplar. O altar está despojado. O sacrário aberto e vazio . O Sábado é o dia em que experimentamos o vazio. Se a fé, ungida de esperança, não visse no horizonte último desta realidade, cairíamos no desalento: "nós o experimentávamos…", diziam os discípulos de Emaús. É um dia de meditação e silêncio. Mas não é um dia vazio em que "não acontece nada". Nem uma duplicação da Sexta-feira. A grande lição é esta: Cristo está no sepulcro, desceu à mansão dos mortos, ao mais profundo em que pode ir uma pessoa. E junto a Ele, como sua Mãe Maria, está a Igreja, a esposa. Calada, como ele. O

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar.

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar. Os termos “luterano significado”” Reforma Luterana”, para entender temos que olhar para o passado, no século XVI, devido a divisão na Alemanha entre Católicos e Protestantes, claro que o fator da divisão foi doutrinário, como podemos observar na Dieta de Worms . Termos como Luteranismo, As confissões Luteranas, Livro de Concórdia de1580 , Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, são retiradas desta divisão doutrinária. A religião luterana no Brasil está a mais de 100 anos, dívida entre duas igrejas herdeiras dessa reforma, há Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), http://www.ielb.org.br/home/ , e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), http://www.luteranos.com.br/ . Marca do Luteranismo é a educação, mesmo aqui no Brasil, basta fazer uma busca com os termos “ luterano ferraz ”, “ luterano analia franco ”, “ ULBRA ”, “ Colégio Concórdia ”, “ instit

Paulo Santana - Novidade teratológica

https://encrypted-tbn3.google.com/ images?q=tbn:ANd9GcSDhr2bCt0N9gm wQgyFSuchQ996PizcsStMUB5I5irC5xroUkt- * Texto publicado na página 47 de Zero Hora desta quinta-feira (23) Desculpem, mas não existe assunto melhor do que este: em São Sepé, esta semana, um cão que tem no sangue a mistura de pitbull com rottweiler botou para fora de casa uma família inteira, depois que a proprietária foi ameaçada por ele e conseguiu fechar a porta da casa e fugir do lar. Isto apenas uma semana depois que um cão, também uma cruza de pitbull com rottweiler, matou a dentadas um menino em Capão da Canoa. Eu pergunto: o que tem na cabeça uma pessoa que cruza pitbull com rottweiler? O que tem na cabeça? Sei bem o que pensa. Pensa que tem uma arma mortífera em casa, mas quer uma arma mais mortífera ainda. E cruza as duas raças, revelando uma megalomania incrível, autodotando-se de um superpoder. Teratologia (monstruosidade) pura. Informa-me o Cyro Silveira Martins Filho que os pitbulls são descendente