Pular para o conteúdo principal

Culto: A Confessionalidade na Liturgia Luterana



1.  Culto Cristão
Os fundamentos teológicos do culto e da liturgia podem ser descritos a partir da definição da essência do culto cristão. A essência do culto possui duas realidades: a proclamação dos dons da salvação pelo doador, Deus. E a conseqüente adoração a este doador que é realizada por parte do homem, o beneficiado. Deus transmite seus dons da salvação para a igreja através da sua Palavra e Sacramentos, e a igreja apresenta ações de graças a Deus através de orações, confissão e louvor.
Toda a Bíblia testifica que a possibilidade de cultuar a Deus não está ao alcance do homem natural. Deus é quem chama o homem, quem o justifica e lhe dá a capacidade de adorá-lo. Deus pode ser o objeto de nosso culto apenas quando Ele primeiramente é o sujeito do mesmo, ou seja, Deus é quem concede o culto.[1]
A Bíblia relaciona o culto com a história que Deus iniciou para a nossa salvação desde a criação do homem. Nessa história, encontramos aspectos importantes e fundamentais da verdadeira essência e do significado do culto cristão.[2]

Primeiro, o culto cristão baseia-se no culto perfeito oferecido por Jesus Cristo. Esta fundamentação cristológica do culto se dá de forma dupla, o culto terreno celebrado pela vida, obra e glorificação do Cristo encarnado e no culto celestial oferecido por Cristo até a vinda do mundo vindouro.[3]

Dentro desta perspectiva, o culto, para ser verdadeiro, deve sempre direcionar o adorador à obra de Cristo, deixando claro, assim, que a dignidade e a justiça necessárias para chegar-se à presença de Deus em adoração são atribuídas ao crente pela justificação através da fé em Cristo.
Segundo, o culto verdadeiro é uma recapitulação da obra salvadora de Cristo. O culto resume e confirma sempre de novo a história da salvação, cujo ponto culminante se encontra na intervenção encarnada de Cristo.[4]
A recapitulação tem o sentido de evocar um acontecimento do passado a fim de torná-lo operante aqui e agora pelos seus efeitos. E ela remete a igreja ao futuro, antecipando o retorno de Cristo e do seu reino, tornando o culto uma celebração escatológica. E o agente divino responsável pela atualização da obra de Cristo na vida de cada indivíduo, é o Espírito Santo. A presença do Espírito Santo, através dos meios da graça, é a marca fundamental da presença do Senhor no culto da igreja.
Além desses dois pontos fundamentais, o culto, de forma especial, é um dos momentos em que Deus anuncia e concede o seu perdão novamente, através da proclamação da sua Palavra e da Santa Ceia. O culto verdadeiro sempre oferecerá de novo a mensagem da salvação a partir da remissão dos pecados.
A segunda realidade da essência do culto é a resposta da igreja à iniciativa salvadora de Deus. Esta resposta é fruto de um coração que foi justificado e renovado pela ação do Espírito Santo através da fé no evangelho de Jesus Cristo. No culto, esse homem transformado junta-se com seus irmãos da fé, formando a igreja que se reúne para novamente ser servida por Deus e para servir a ele como resposta a sua iniciativa.

http://luterano-religar.blogspot.com.br/2013/07/o-pastor-lutero-e-sua-contribuicao-para.html

[1] PAQUIER. Dynamics of Worship. P.04
[2] BRUNNER. Worship in the name of Jesus. P.91
[3] ALLMENN. O Culto Cristão. P.25
[4] ALLMENN. Op. cit. P.32

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação em Lutero uma abordagem ainda para o século 21

            Neste trabalho estaremos analisando dois escritos de Lutero que constam nas Obras Selecionadas (v. 5): Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs (1524) e Uma prédica de Martinho Lutero para que se mandem os filhos para a escola (1530). O objetivo deste trabalho é avaliar o desenvolvimento teológico de Lutero dentro do assunto “Educação” conforme esses escritos de épocas distintas. Após o estudo e comparação destes dois escritos não pude perceber um desenvolvimento teológico significativo em Lutero. Talvez isso se deva a proximidade da data e por estarem os dois escritos no período do “Lutero adulto” (ou seja, depois de 1519). Também é difícil analisar o desenvolvimento teológico de Lutero em um assunto que não é propriamente “teológico”.             Porém, essas obras são de suma importância para a cristandade e a história da educação. Percebemos nestes escritos o valor que Lutero dava à educação, principalmente como p

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar.

Luterano, Luterana significado, fácil de buscar. Os termos “luterano significado”” Reforma Luterana”, para entender temos que olhar para o passado, no século XVI, devido a divisão na Alemanha entre Católicos e Protestantes, claro que o fator da divisão foi doutrinário, como podemos observar na Dieta de Worms . Termos como Luteranismo, As confissões Luteranas, Livro de Concórdia de1580 , Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, são retiradas desta divisão doutrinária. A religião luterana no Brasil está a mais de 100 anos, dívida entre duas igrejas herdeiras dessa reforma, há Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), http://www.ielb.org.br/home/ , e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), http://www.luteranos.com.br/ . Marca do Luteranismo é a educação, mesmo aqui no Brasil, basta fazer uma busca com os termos “ luterano ferraz ”, “ luterano analia franco ”, “ ULBRA ”, “ Colégio Concórdia ”, “ instit

Reforma Hoje. Um olhar através dos tempos 1 parte.

Reforma Hoje. Um Olhar Através Dos Tempos 1 parte O texto abaixo é  extraído  de um artigo, numa cadeira de catecismo do S eminário   Concórdia  de São Leopoldo RS. Reforma Hoje. Gene Edward Veith      Através de quase todo o século XX, a maior questão teológica foi a chamada "Batalha pela Bíblia". Começando com o conflito entre modernistas e fundamentalistas, a igreja na América vem sendo agitada por uma divisão entre aqueles que acreditam que os ensinos da Bíblia devam ser julgados de acordo com as mais recentes tendências intelectuais e culturais e aqueles que crêem na iner-rância da Escritura. Ao longo de quase todo o século, teólogos liberais, armados com a metodologia crítico-histórica e o prestígio da classe intelectual, batalharam contra os evangélicos, que insistiam na realidade da inspiração divina e no evangelho sobrenatural.        Em meio às violências de cismas denominacionais, seminários para expurgo e divisões de igrejas, os modernist